Quer cuidar da vida dos outros??

11 05 2009

Outro dia eu remava na internet (conexão à rádio em cidade microscópica é coito – pra não ter que escrecer f—), e achei uma matéria muuito interessante.

Geralmente as pessoas gostam de tomar conta da vida alheia… Saber o que o outro está fazendo… Vigiar cada passo. Prova maior é o sucesso de reality shows como o Big Brother Brasil.

Bem esse tipo de comportamente aliado a lógica corporativa – pôr pessoas de fora para realizar os seus (chefe) serviços infra-estruturais enquanto você se preocupa com seus negócios – levou uma chinesa a vender os seus dias. Isso mesmo: vender os seus dias.

Chen Xiao (26) toma suas decisões à partir do que os outros pedem a ela no site http://shop33691501.taobao.com. Na verdade não é tão simples assim. Para deixar suas “sugestões” é preciso pagar o equivalente a 30 Yenes. Não sendo ofensivo, violento, perigoso ou vulgar, a moça tem o maior prazer em atender ao pedido. Esse comportamento da chinesa (que por sinal, é crescente) é chamado de outsourcing. Em suma, seria você realizar seus desejos, suas vontades, através do outro. Chen cumprimenta mendigos, visita locais ou realiza diversas tarefas que muitas pessoas gostariam de fazer mas não podem ou não tem condições.

Parace estranho? À primeira vista, sim. Mas tem uma ótica diferente sobre isso tudo. Essa chinesa não está muito longe distantes dos assalariados de empresas, como comentei no início. Acredite, com a quantidade de verbos imperativos que nos bombardeiam todos os dias, nenhum de nós está tão alheio a isso quanto imaginamos.

Mas e você, seria capaz de vender sua rotina pra sobreviver, tirar um extra no fim do mês ou mesmo por diversão? Seria capaz de “comprar o pedacinho” do dia de alguém? Comente aí!

Abçs

Anúncios





Exclusividade entre/dos iguais

23 03 2009

Há pessoas que são incapazes de escrever sem erros, que trocam as letras e as palavras; outras que não conseguem fazer um risco direito; outras desajeitadas para qualquer trabalho manual; outras ainda com dificuldade em aprender… Durante muito tempo essas pessoas foram consideradas anormais, deficientes. Depois descobriu-se que a causa dessa deficiência era devida quer a factores hereditários quer bioquímicos. Chamaram-lhe dislexia e consideraram-na uma doença.

Os disléxicos enfrentam problemas durante toda a sua vida, principalmente quando são estudantes. E, no entanto, possuem frequentemente um índice de inteligência acima da média e são quase sempre brilhantes em áreas em que outros enfrentam dificuldades, tipicamente imaginação, cálculo mental ou memória visual. Na verdade o seu cérebro funciona a três dimensões – para eles um texto é um conjunto de imagens e não palavras com significado.

A dislexia não é uma doença; é uma diferença; é um dom. Um dom que apenas cerca de 8% da população possui e que lhes permite ver o mundo de uma forma maravilhosa em vez das tristes imagens bidimensionais que vêem os restantes mortais. Para eles o nosso mundo – o das pessoas normais – deve parecer-lhes um enorme aborrecimento.

dsl

Um disléxico possui uma percepção acutilante, uma memória fotográfica e uma imaginação prodigiosa. São capazes de inventar um mundo fantástico dentro da sua cabeça! Se descobertos precocemente e bem encaminhados podem tornar-se autênticos gênios.

Você ainda tem alguma dúvida quanto a isso? Pergunte para Einstein ou da Vinci, amobos tinham dislexia.

E se você ainda mantêm-se um cético quanto à essa idéia, aqui para você, ó:

ae

Do Obvious




13 linhas para viver melhor

9 02 2009

Gabriel García Márquez é um consagrado escritor colombiano. Seu estilo é tão diferente que ele acabou criando uma vertente na literatura latino-americana, o realismo mágico. Esse é um dos seus pequenos escritos mais conhecidos.

 

1. Gosto de você não por quem você é, mas por quem sou quando estou contigo.
2. Ninguém merece tuas lágrimas, e quem as merece não te fará chorar.
3. Só porque alguém não te ama como você quer, não significa que este alguém não te ame com todo o seu ser.
4. Um verdadeiro amigo é quem te pega pela mão e te toca o coração.
5. A pior forma de sentir falta de alguém é estar sentado a seu lado e saber que nunca vai poder tê-lo.
6. Nunca deixes de sorrir, nem mesmo quando estiver triste, porque nunca se sabe quem pode se apaixonar por teu sorriso.
7. Pode ser que você seja somente uma pessoa para o mundo, mas para uma pessoa você seja o mundo.
8. Não passe o tempo com alguém que não esteja disposto a passar o tempo contigo.
9. Quem sabe Deus queira que você conheça muita gente errada antes que conheças a pessoa certa, para que quando afinal conheça esta pessoa saibas estar agradecido.
10. Não chores porque já terminou, sorria porque aconteceu.
11. Sempre haverá gente que te machuque, assim que o que você tem que fazer é seguir confiando e só ser mais cuidadoso em quem você confia duas vezes.
12. Converta-se em uma pessoa melhor e tenha certeza de saber quem você é antes de conhecer alguém e esperar que essa pessoa saiba quem você é.
13. Não se esforce tanto, as melhores coisas acontecem quando menos esperamos.

Gabriel García Márquez




Mulheres e sua sedução…

14 01 2009

Mulheres e sua sedução…

Sempre tive uma grande dificuldade pra me maquiar,o delineador  em minhas mãos é uma tragédia…Andei procurando pela net alguma coisa q pudesse me “ensinar” ou pelo menos tentar  a usar o delineador a meu favor…hehehe

Este video da uma dica bem legal pra quem quer usar o delineador de forma suave….





“Libertas Quae Sera Tamen”

28 10 2008

Frase conhecida… Se você for mineiro, igual a nós, então… E de certa forma, muitos jovens seguem o “preceito” dela. Sempre gritando para todos os lados que querem liberdade, querem mais espaço, querem poder decidir tudo da maneira que achar melhor. Querem bater as asas cada vez mais longe

Mas como será que essa liberdade é buscada. Ou melhor, você consegue definir esse “livre-arbítrio”?? Em que sentido você busca isso?

Quando você diz ser livre, pode partir para várias direções, para vários sentidos. Olhando de uma forma mais minimalista (e nem por isso menos importante), pode ser você escolher onde ir e quando ir. Fazer algo que sempre falam para você não fazer. Viver de um jeito que você sempre quis e sempre sofreu limitações. Morar sozinho…

De um jeito mais “social”, pode ser a simples libertação do cárcere ou então, em contra-posição a isso, o direito de você poder andar sossegado para qualquer lado no seu bairro, na sua cidade, só com as menores preocupações possíveis, não sendo necessário, você viver e criar seus filhos trancados sob o teto de casa.

Quem pensa mais no lado espiritual, chega a dizer que a liberdade mesmo do ser humano vem com a sua morte, com a ida do seu espírito para um lugar, para uma dimensão melhor. (Sem maiores detalhes com esse assunto, não é?! Extremamente frágil e complicado.)

Seus pais podem dizer, por exemplo, que eu tenho muita liberdade hoje ao escrever um post igual a esse e poder divulgar para quem quiser ler, sem opressão ou censura, como existia na ditadura.

Coisas simples do dia-a-dia podem nos trazer grandes dúvidas, assim como essa. Você já parou e pensou na liberdade que você quer, que você busca? Será que você já não alcançou isso?

Bem, até aqui eu já devia ter escrito a minha definição de liberdade, não é?! Pois eu acompanho ao pé da letra a frase que Cecília Meirelles escreveu no livro O Romaceiro da Inconfidência: “Liberdade é algo que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda.

Abçs





Tribos urbanas: você está em alguma?

9 10 2008

Essa não é uma situação nova. A separação de grupos de jovens com mesmo gosto para música, roupas e comportamento já acontece há algumas gerações. São as tribos urbanas. E ultimamente essa tendência explodiu.

Góticos, punks, emotioncore, geeks, clubbers… A lista de nomes é muito grande.

E você vai conhecer agora um pouco de algumas delas:

 

  • Góticos: São para a maioria que os vêem, loucos, bruxos, macumbeiros… Praticam magia negra, necrofilia.. Mas é porque quem participa dessa tribo preza por vestir roupas pretas, gostam da melancolia, da tristeza, fazer saraus em cemitérios. Góticos tem uma forte tendência a serem incontidos com quem é “de fora” da sua tribo, justamente por essa imcompreensão e preconceito. Na verdade, a filosofia gótica preza por um amor e poesia obscuros, mórbidos. Daí que vem o conflito.
     
  • Emotioncore: Mas como o brasileiro gosta de abreviar tudo, Emos. Os mais perseguidos hoje, sem sombra de dúvidas. Há inclusive gangues, estilo os Skin Heads, só que perseguem os membros dessa tribo. E apesar de todo mundo achar que reconhece um Emo a quilômetros de distância, vale citar alguns detalhes que nem todo mundo leva em conta (inclusive quem se se diz adepto do estilo). Quem é emotioncore é caraterizado por usar um cabelo liso, geralmente preto, com uma grande franja sobre um lado do rosto e este por sua vez, sempre carregado com uma maquiagem forte. As roupas variam principalemte entre listradas horizontalmente ou pretas com estampas com motivos infantis: desenhos do Mickey, Hello Kitty, corações, etc… Ou seja, como o próprio nome sugere, são muito ligados à parte emocional, gostam de músicas das bandas que sempre falam de um amor fracassado, desilusões diversas e afins. Choram, e bem inclusive, com elas. E um detalhe que muitos não levam em conta ao falarem sobre (ou que são) Emos: a tendência bissexual. Por essa objetivação emotiva, Emos só procuram um cultivo de carinho, de amor, além de qualquer coisa. Se estão tristes, deprimidos, carentes, é comum ver integrantes do mesmo sexo da tribo beijando-se.
     
  • Geeks: Resumindo em poucas palavras, são a evolução dos chamados Nerds. Um Nerd praticamente não tinha vida social, não gostava de festas e só concentrava-se em estudos e um tanto mais recentemente, nos computadores. Os Geeks (essa é uma denominação bem recente mesmo, até) são viciados mesmo em tecnologia, em tudo que é eletrônico e cibernético… Sua casa é lotada de gadjets – são aqueles utensílios eletrônicos, que muitas das vezes tem uma função limitadíssima ou nem chegam a isso, são só decoração mesmo. Lêem desde revistas sobre assuntos adjacentes a estes, até livros dos mais variados… Informação, Geeks gostam de acumular informação. Só que o grande diferencial é que os integrantes dessa tribo tem, sim, uma vida social igual a todos os outros: frequentam bares aos sábados, praticam esporte, fazem musculação, vão pra balada, pra citar alguns exemplos. E é tão comum vermos pessoas com essas características, que elas acabam se confundindo no meio da multidão. Muitos nem param pra pensar, mas vão quando vão ver enquandram-se perfeitamente entre os Geeks.
     
  • Punks: Talvez seja o vovô dos movimentos sociais juvenis. Explodiu em 70′. Símbolos da rebeldia, da indisciplina e de um grito de liberdade que reinava sobre aquela época. Violetam o próprio corpo e só queriam diversão, a qualquer custo. Viver era praticamente “sobreviver”, adequar-se e subordinar-se ao sistema social dominante e opressor. Os Punks refugiavam-se nas drogas, no álcool e no vandalismo. Chamavam a atenção, desse modo, e decretevam a própria setença de morte (já que, como era pra ser jovem, o envelhecimento só o faria cair para o lado do sistema, como foi dito). Mas porque tudo que escrevi sobre eles agora está no passado? Os Punks acabaram?? Nada disso, só mudaram, evoluiram. Mas não são uma peça a mais da sociedade padronizada, o seu erro foi ter saído do underground, do cunho “social” para virarem (principalmente) peça de mercado. É isso aí. Quantas grifes famosas não adotaram o estilo grunge, desleixado, com roupas rasgadas (olha o jeans aí), cheias de correntes e cortes de cabelo no mínimo irreverentes se comparados aos habituais. Um marco pra antiga geração do Punk foi Dead Kennedys, revolucionário, incomum e que com suas idéias totalmente fora dos padrões, chegou a ficar em 4º lugar em uma disputa para a prefeitura de São Francisco, Califórnia. Ou seja, os Punks tem um jeito bastante diferente de charema a atenção, de passarem o seu recado e que chega a sair do limite às vezes. Só que hoje, parece que o estilo virou mais uma forma de marketing comercial (contra a sua vontade, obviamente).
     
  • Clubbers: É até meio difícil falar sobre o que é um Clubber hoje. Mais ou menos em 90′, os Clubbers eram facilmente diferenciados na multidão por sua roupas bastante coloridas, muitas pulseiras, cabelos bem diferentes e tão coloridos quanto… Frequentavam os clubes (dããã) e curtiam sons do estilo Drum’n’bass, Trip Hop (base para o Hip Hop), Techno e House. Mas é tão comum todos ouvirem esses estilos e suas vertentes que, sinceramente, não acho que existam mais Clubbers específicamente. Muitos agora devem estar pensando: “Existe sim. Tem aqueles playboys e patricinhas que enchem a cara de álcool e êxtase nas raves.” Não é por aí. A mistura de ritmos, a influências de várias culturas e filosofias levam membros de várias tribos, de várias classes a frequentarem os mesmos espaços, inclusive as raves. E por tal mistura, é difícil você dizer: “Fulano é isso, Ciclano é aquilo…” Não rola mesmo galera.

 

 

Então é isso. Espero ter conseguido fazer você perceber a diferença entre várias tribos urbanas. Desculpa aí se acabei ofendendo alguém, sem querer, claro, ou se escrevi alguma coisa a mais que não devia (o erro é a segunda certeza na vida né, depois da morte 😉 ).

Só que o mais importate, independentemente se você identifica-se com alguma tribo ou não, sem preconceitos né, galera. A intolerência é o mal maior dos nossos dias. Se queremos mostrar para nossos pais e avós que somos uma geração “mais evoluída”, vamos começar pelo respeito, pela liberdade de gosto, de expressão, social e de gênero.

 

Abçs e até a proxima