10 gadgets que valem a pena comprar

27 01 2009

Toda hora a gente vê o lançamento de um outro produto pra facilitar nossa vida. Alguns que agregam uma grande convergência multimídia, como é o caso dos celulares.

Remando um pouco na internet, eu achei essa lista apontada pela revista Time, como as 10 melhores (in)utilidades do ano. Confira:

1. Projetor Optoma Pico PK-101
Para a Time, este projetor para ser usado com o iPod ou iPhone é o dispositivo mais “cool” deste ano – até James Bond gostaria dele, segundo a publicação. Simples e silencioso, o projetor de bolso tem apenas 15 milímetros de espessura e peso de 120 gramas. A distância mínima entre a tela e o projetor é de 20 cm, e a máxima é de 2,6 metros, com a qual se consegue uma imagem com tamanho equivalente ao de uma tela de 65 polegadas. O som, deficiente, exige o uso de fones de ouvido ou caixas de som plugadas à saída de áudio. Custa US$ 399 (equivalente a R$ 949).

2. HDTV de 65″ Mitsubishi LaserVue
Indicada para quem tem milhares de dólares para torrar numa TV, A LaserVue HDTV da Mitsubishi é, segundo a Time “simplesmente a melhor que o dinheiro pode comprar”. Primeira HDTV a utilizar lasers, ela tem a paleta de cores mais ampla que qualquer outro aparelho no mercado, capaz de rivalizar com os filmes no cinema – a consome dois terços de eletricidade a menos que HDTVs de plasma ou LCD do mesmo tamanho. O preço é de US$ 7 mil, pouco mais de R$ 16,6 mil.

3. iPhone 3G
Ele não gerencia e-mails tão bem quanto o (mais barato) BlackBerry, e não é melhor (como telefone) do que a maioria dos celulares no mercado. Mas é o iPhone, símbolo da era da computação móvel, com milhares de aplicativos gratuitos e pagos à disposição – e sim, já é vendido no Brasil. Quem resiste?

4. Câmera Nikon D90
São na verdade duas câmeras em uma: fotografia e vídeo em alta definição – além de lentes fantásticas e diversos outros recursos que lhe dão um diferencial importante. Se você está pensando em um forte upgrade, diz a Time, esta câmera deve ser levada em consideração. Tem um conjunto de funções que agrada ao mais exigente consumidor e preço de US$ 1,2 mil.

5. Alto-falante de bolso FoxL Bluetooth
Apesar de não ser maior que um estojo de óculos, o FoxL transmite um som rico o suficiente para agradar o ouvinte mais exigente. Pode ser conectado sem fio ao celular e levado no carro, e o microfone embutido permite seu uso para atender telefonemas. Preço estimado de US$ 249 (cerca de R$ 600).

6. Fone de ouvido sem fio Sennheiser MX W1
Pode parecer dinheiro demais por um simples fone de ouvido, mas este vale, segundo a Time, pela qualidade do som. Sem fio, basta plugar o transmissor, menor que um baralho, à fonte de som – o iPod, a TV, um estéreo ou qualquer outro com plug de saída – e sincronizar. Os auriculares e o transmissor vêm num num case que cabe no bolso e que recarrega a unidade enquanto você está na estrada. Preço: US$ 499 (pouco mais de R$ 1,2 mil).

7. Câmera de vídeo Flip MinoHD
Do tamanho de um iPod, esta câmera faz vídeo em alta definição e tem na simplicidade e na facilidade de uso seus grandes atrativos. Produz imagens boas o suficiente para serem vistas numa HDTV e vem com seu próprio software de edição. Na primeira vez que conectá-la ao Mac ou ao PC, o software será instalado e você poderá automaticamente postar os vídeos em sites como o YouTube. Tem memória interna de 4 GB, suficiente para em torno de uma hora de vídeo, e uma bateria interna recarregável que dura duas horas. O preço é de US$ 230, equivalente a pouco mais de R$ 547.

8. Leitor eletrônico Kindle
O leitor digital da Amazon foi lançado no final de 2007, mas ganhou mercado neste ano. Ele baixa livros, jornais diários e revistas por uma conexão sem fio e é fácil de usar. Bom para quem viaja bastante e gosta de poder contar com uma biblioteca à mão, custa US$ 359 (ou pouco mais de R$ 850).

9. Roku Netflix Box
Para quem tem uma conta Netflix, é uma ótima opção. Basta conectar o Roku à TV. Ele automaticamente encontra a conexão doméstica Wi-Fi, e pronto. São 12 mil filmes e programas de TV em streaming, gratuitamente, que podem ser acessados quando e por quanto tempo você quiser – e a programação é constantemente ampliada. Aposta-se que, um dia, baixar vídeos por meio de dispositivos como este vai tomar o lugar dos DVDs. Preço de US$ 99 (pouco mais de R$ 235) mais a conta Netflix.

10. Mundo virtual “Home” para PS3
Depois de alguns atrasos, o mundo virtual da Sony, “Home”, dá aos fãs mais uma razão para comprar o console PS3. Os usuários criam seus próprios avatares humanóides e pegam um apartamento virtual perto da “town square”, uma base a partir da qual podem socializar uns com os outros, jogar e comprar uma variedade de produtos e serviços Sony, incluindo música, filmes e mais. E é gratuito.

Anúncios




A camisa para azaração

19 11 2008

Que novidades tecnológicas aparecem todo dia, de todo lado, isso não é mais novidade. Só que curiosa e interessante igual a essa é meio difícil.

A grife de roupas W-41 lançou uma linha de roupas com um recurso surpreende. As camisas vêem com um logo circular, único em cada uma, que serve como um identificador. Seria similar a um código de barra, para você ter uma idéia. A grande jogada fica por conta de um programa APP que você baixa no site da empresa e instala em seu celular. Juntando isso tudo fica assim:

  • Você instala o APP no seu celular;
  • Quando você ver alguém que tem a camisa, executa o programa junto do seu browser e tira uma foto do logo;
  • Então, é retornado pra você informações sobre a pessoa que estão no site que ela cadastrou junto ao serviço!!

w-41É isso mesmo. A pessoa cadastra o Facebook, Myspace, blog ou outro site qualquer que ela tenha sobre ela e as informações ficam indexadas ao logo da camisa. Louco, não é??

Isso na balada, pra azaração, pode ser bastante útil, heheh.

Tá ok, tudo bem, o lance não tão útil assim. Só que é um diferencial da empresa.

Será que a W-41 chega a vender aqui no Brasil? Será que alguma outra empresa leva a história adiante??

E você: acha que a moda pega??

Abçs





Entre o PS3, Xbox 360 e Wii: Zeebo

14 11 2008

Já tinha algum tempo que eu não escrevia nada sobre tecnologia, então, nesse retorno, vamos falar sobre os consoles da terceira geração.

A maioria já deve saber todos os detalhes e comparativos sobre os que já estão no mercado: o Wii da Nintendo, o Xbox 360 da Microsoft e o Playstation 3 da Sony e por isso, já deve ter a sua preferência.

Só que, como toda tecnologia nova, todos eles estão em uma faixa de preço fora do padrão da maioria (pelo menos aqui no Brasil, não é?!). Bem, a solução para “atender” o mercado nacional vem da desaparecida Tec Toy. Sim pessoal, a mesma Tec Toy do lendário Master System com seu Sonic the Hedgehog, Alex Kidd in the Miracle World, Golden Axe e Hang On (êê saudade da infância…).

Olha o brinquedo ai

Olha o brinquedo aí

A empresa voltou a investir pra valer em consoles e deve lançar (provavelmente em outubro de 2009) o seu novo vídeo-game, o Zeebo. O aparelho vai ser muito mais barato que os demais concorrentes porque será produzido na Zona Franca. Será algo em torno de R$600, a princípio. Para comparar, é o mesmo preço do Playstation 2 com nota.

Para combater a pirataria, os vídeo-games da terceira geração trazem alguma novidades à eles: seja mídia diferente, como o Blu-Ray, rotação diferente da mesma ou criptografia. Mas o a Tec Toy vai investir em algo relativamente novo. Os jogos não rodarão jurassicamente em cartuchos, não serão em dvd’s, muito menos em Blu-Ray. Eles ficarão armazenados no hd do aparelho e serão baixados por uma rede wi-fi, a ZeeboNet 3G. Essa rede funcionará na plataforma da Claro. Os jogos custarão entre R$10 e R$30 e basta você comprar créditos pelo site da Tec Toy ou cartões pré-pagos específicos. Sem assinatura ou adesão a plano algum, todos os encargos estão incluídos. Mas eu disse que isso é relativamente novo porque Microsoft e Sony já usam sistema similar de pagamento online com as redes Live e PSN respectivamente. O diferencial é que a abrangência e foco nelas é bem menor.

Os cartões

Os cartões

Como respaldo, o Zeebo contará com produtoras de games de peso como Electronic Arts , Namco, Sega, Capcom, Activision, 3D Realms, Id Software e Gameloft, o que traz uma certa esperança de bons jogos para ele.

Eu não consegui imagens dos jogos, mas vi que a capacidade de leitura é de 1.600.000 de polígonos, aproximadamente.

No primeiro trimestre, a TecToy deve escolher uma cidade do país para fazer um teste de vendas. Se tudo der certo, o console deve ser comercializado oficialmente em outubro com um catálogo de 50 jogos.

E você, o que acha? Será que o Zeebo consegue alguma fatia do mercado de games no Brasil??

Abç





Conhecendo o G1, o celular do Google

15 10 2008

A T-Mobile apresentou o primeiro celular que usa o sistema operacional Android, do todo poderoso oráculo Google. O aparelho, que já foi chamado de Dream e Googlephone, acabou recebendo o simples nome: G1. O aparelho custará US$ 179,00 , com um contrato de dois anos. O valor é o mesmo que a AT&T (única operadora por lá que venderá o smartphone) cobra pelo iPhone 3G, também mediante um prazo de fidelidade.

Entre os recursos já confirmados do aparelho estão o Google Maps Street View, que terá uma função chamada “compass”, que mostrará a localização no mapa em tempo real, enquanto o usuário caminha pela rua. O telefone, fabricado pela HTC (sou fã dos aparelhos dela), usará um navegador baseado na tecnologia do Chrome e terá integração com os principais produtos do Google: Gmail, Gtalk, Google Docs e YouTube.

O aparelho tem também um acelerômetro, como o iPhone, que permitirá que a imagem na tela gire junto com o aparelho. O primeiro aplicativo escrito para o G1 fazia com que quando o telefone fosse jogado para o alto ele calculasse o tempo de queda, graças ao acelerômetro (doidera, né).

O G1 traz tela sensível ao toque de 3 polegadas, botões especiais para navegação pela internet, teclado deslizante qwerty, câmera com 3,1 megapixel, cartão MicroSD de 1GB pré-instalado (suporta até 8GB), 3G e wi-fi. A bateria suporta cinco horas de conversação ou 130 horas em stand-by. Vem nas cores branco, preto ou marrom e pesa aproximadamente 140g.

Não há suporte para o Microsoft Exchange e nem para o iTunes, mas músicas sem DRM (Digital Rights Management ou Gestão de Direitos Digitais ;)) podem ser transferidas para o aparelho. A loja de mp3 da Amazon virá pré-instalada.

Android deve aparecer em outros aparelhos também

O Android é baseado no sistema operacional Linux, ou seja, usa código livre, o que permite a programadores desenvolverem, por conta própria, novos aplicativos. Isso significa também que, apesar do aparelho da HTC ser o primeiro a contar com o Android, ele deve ser seguido por diversos outros, de empresas diferentes. E nem faria sentido não ser assim, uma vez que o maior objetivo do Google com esse lançamento é aumentar o acesso à internet móvel, e seus lucros com publicidade alavancados pela sua ferramenta de buscas.

– Se a internet estiver amplamente disponível, será bom para nós – disse o co-fundador do Google, Sergey Brin, segundo a CNet News.

Rumores já indicam que o Android pode vir a ser modificado para funcionar em outras plataformas, além dos telefones celulares, como automóveis ou tocadores de mp3.

Para a Google, o Android será mais uma ferramenta para vender anúncios. A receita das empresas com propagandas em ferramentas de busca por celular devem saltar dos atuais US$ 243,7 milhões para US$ 3,8 bilhões em 2012, prevê a firma de pesquisas americana EMarketer Inc.

Os celulares equipados com o sistema Android, do Google, terão a sua própria “lojinha de aplicativos”, (semelhante à App Store, do iPhone). O sistema de distribuição que ajudará usuários a encontrar, comprar, baixar e instalar vários tipos de conteúdo se chamará Android Market.

Matéria adaptada do portal G1